Quando Você se Identifica com a Depressão

Quando você se identifica com a depressão e mergulha profundamente nela, fica difícil acreditar que é possível sair desse estado. Por detrás de toda essa aparente escuridão, você tem o seu eu que está imune a qualquer situação. O verdadeiro eu nunca pode ser obscurecido pela depressão, nunca pode ser afastado do caminho da consciência. A felicidade que você está esperando e que parece nunca acontecer, está lá, aguardando ser descoberta.

É claro que a depressão está ligada a sentimentos que foram se desgastando ao longo do tempo, menos valia, baixa auto estima, e até a saúde. Ao se recriminar, por exemplo, gasta suas energias centrado na culpa, remoendo a situação, em vez de se conectar no eu que mora dentro de você. O fato de não aceitar as coisas como são, faz com que tenha um controle exagerado sobre a vida externa, temendo que a situação piore ainda mais. Acha que perdeu alguma coisa, sonhos, realizações, projetos, idealizações, e que nunca vai poder se recuperar da perda. O seu eu, escondido no meio do nada, parece não existir, ficou sem uso. O fato de ter sido ignorado criou a ilusão de que os seus caminhos se fecharam.

É provável que se pergunte, será que vou ficar deprimido pelo resto da vida? Depende de você. Se decidir mudar o foco e, em vez de depressão, perceber a parte sua que quer se realizar, tudo pode mudar.

Depressão é infelicidade. Investigue o seu passado e veja de onde vem esse sentimento que o coloca para baixo. Ao fazer isso, a verdadeira razão é revelada, o verdadeiro sentimento que provocou esse estado será desvendado.

A felicidade permeia todos os seus sentimentos, até mesmo a depressão. Pode ser que no início pareça não durar, mas lembre-se que o trabalho de se colocar para cima é igual ao de se colocar para baixo.

Cuide-se, faça psicoterapia.

Author image

Psicóloga Maria Manuela Ferreira

Maria Manuela Ferreira, é Psicóloga, com mestrado em Educação e Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pós-graduação em Psicologia Analítica, de Carl Gustav Jung.
  • Ipanema, Rio de Janeiro